O ‘show’ de Binder

E na terceira corrida do ano, tivemos o primeiro piloto e o primeiro construtor diferente a vencer no MotoGP. Em Brno, Brad Binder e a KTM venceram

E na terceira corrida do ano, tivemos o primeiro piloto e o primeiro construtor diferente a vencer no MotoGP. Na República Checa, Brad Binder estreou-se a vencer, tal como a KTM, desde o regresso à modalidade rainha em 2016. Franco Morbidelli e Johann Zarco completaram o pódio em Brno.

Na qualificação, Johann Zarco foi o mais rápido, colocando a sua Ducati na pole position. O francês parece estar a adaptar-se muito bem à Desmodici GP19 da Esponsorama Racing. Curiosamente, esta GP19 que Zarco pilota, o chassis é muito parecido ao que Jorge Lorenzo utilizava no construtor italiano, claro que com algumas alterações para o francês que tem um estilo de pilotagem muito parecido ao espanhol. Na segunda posição ficou Fabio Quartararo. O líder do campeonato ainda tentou bater o seu compatriota, mas, na última tentativa acabou por cair. Mesmo assim, resultado histórico na qualificação, com o 1-2 de pilotos franceses. Franco Morbidelli completou a primeira linha da grelha de partida.

O circuito de Brno já é um circuito antigo, por isso, o alcatrão pode não ser o melhor. Para a corrida, a maioria dos pilotos colocou o pneu médio na traseira da sua moto, com Morbidelli a ser dos poucos com o pneu macio. Aliado a um bom arranque, o italiano colocou-se logo na dianteira, mas não resistiu a um mega Binder, que o passou para a liderança da corrida na volta 13.

A euforia da KTM contrasta com a Yamaha, principalmente os pilotos da M1 de 2020. Quartararo foi perdendo posições ao longo da corrida, mas pior foi Maverick Vinales. O piloto da Yamaha oficial terminou a corrida na 14º posição, levando apenas dois pontos no campeonato. No fim, parece que a máquina de 2019, pilotada por Morbidelli, era a solução, com o italiano a terminar no pódio. Valentino Rossi ainda conseguiu um 5º lugar, mas nunca pareceu ter ritmo para fazer algo mais.

Na KTM, a equipa austríaca continua a fazer progressos na moto e a vitória de Binder é muito bem vinda. Introduzida na temporada completa de 2017, esta RC16 foi evoluindo, com o trabalho de Pol Espargaró e também de Dani Pedrosa. Mas, foi o estreante na categoria a dar a primeira vitória. Uma excelente corrida de Binder, que arrancou bem, esperou algum tempo, derivado de ter o pneu mais duro, e depois passou por Morbidelli para acabar a uns estonteantes 5s na frente do italiano. Miguel Oliveira também teve uma excelente prestação, com o português a classificar-se na 13º posição, mas, uma corrida ‘de trás para a frente’, proporcionou muitas ultrapassagens, fez o piloto luso chegar na 6º posição final, o melhor resultado de um português na categoria rainha.

Quem também esteve bem foi Alex Rins. O piloto da Suzuki ainda está a recuperar da lesão, mas a GSX-RR é um moto equilibrada e que ‘consome’ pouca borracha. O espanhol terminou na quarta posição.

Já a Honda e a Ducati continuam um pouco aos papéis. Primeiro, vamos à Honda. É um pouco injusto dizer que continua aos papéis. Mas, o raciocínio é o seguinte: sem Marc Márquez, não parece haver ninguém que consiga pilotar bem aquela moto. O seu irmão, Alex, é estreante. O substituto do espanhol, Stefan Bradl, já está fora do MotoGP há algum tempo. Jorge Lorenzo não se deu bem e o último a manter uma forma melhor na RC213V foi Dani Pedrosa, que neste momento é piloto de desenvolvimento da KTM. É urgente ter um plano B, coisa que a Honda não parece ter, confiando muito em Marc. Não é mau confiar nele, é excelente, mas foram apanhados pela lesão e agora têm de se fazer algo mais do que andar pelas últimas posições do pelotão.

Já na Ducati, penso que as coisas vão de mal a pior. Andrea Dovizioso terminou na frente de Danilo Petrucci, em 11º e 12º, respetivamente. Dovizioso disse que “o problema tem de ser do pneu, porque foi a única coisa que mudou”.

Para perceber melhor, pode sempre ler este artigo: "Allez, Quartararo! A primeira de muitas!" - CLIQUE AQUI

Não acho que seja apenas os pneus que estão a tirar rendimento à GP20. Problema dos pilotos? Petrucci vai para a KTM em 2021 e Dovizioso ainda não assinou nada com a equipa italiana, sendo que correm rumores de que a relação já viu melhores dias. Eu acho ser todo este pacote junto que dá este mau rendimento em 2020…

Já Zarco, com a Ducati do ano passado, esteve muito bem. Ainda teve uma penalização de "long lap penalty" na corrida, por um choque que eliminou Pol Esparagaró, mas conseguiu um pódio. Poderá ser uma solução para a Ducati Corse? Talvez…

Por fim, de notar que o MotoGP anunciou a data da conclusão do seu campeonato. E, surpresa quase nenhuma, o MotoGP regressa a Portugal, desta vez para correr no Autódromo Internacional do Algarve. A montanha russa recebe pela primeira vez esta categoria, depois de também já se saber que a Fórmula 1 vai passar pelo mesmo circuito. Será que Valentino Rossi consegue adicionar mais uma vitória em Portugal, depois das 5 vitórias já conquistadas no Estoril?

David Pacheco

Foto De Capa: KTM Factory Racing

Join In

Comments (0)

    0